Ilustração: Nerino de Campos
Texto: Nerino de Campos
Subsecretário: Nerino de Campos

quarta-feira, 27 de julho de 2011


Re.
Palavras, pétalas, próspero, pedras, pulgas, primos, cócegas, coisas, canção.
Você entra no papel. Ali está o mundo. Ali está o que pode acontecer, ali está o que vai acontecer. Nada em volta tem valor. As pessoas falando, alguém festejando, todos cantando e você lá, introspectivo, mas feliz por ter o mundo às suas mãos. Cada um com sua felicidade ou seus problemas. Você se sente feliz, mas ao mesmo tempo, completamente infeliz, porque o mundo não é coisa para fazer ninguém feliz, porém, esse mundinho da escrita, com todas as suas particularidades e individualidades, satisfaz plenamente a quem está escrevendo, principalmente se este alguém está sozinho numa mesa de bar.

terça-feira, 12 de julho de 2011


A minha cama sempre foi um dos lugares mais aconchegantes, um refúgio onde eu conseguia me confortar. Ali eu me sentia protegido; não por ninguém, mas pela cama, pelas cobertas, pelo quarto, pela intimidade de estar deitado num lugar seguro. E era cair ali e dormir, sem problemas. Hoje eu não sinto mais essa segurança. Não me sinto protegido. Estou sempre assustado, esperando que o pior aconteça. Então coloco sobre o ouvido uma almofada e espero que os pensamentos se esvaiam e que eu encontre um pouco de paz para continuar naquele lugar.