Ilustração: Nerino de Campos
Texto: Nerino de Campos
Subsecretário: Nerino de Campos

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Confissão

Não foi bem assim que a coisa aconteceu, mas para amenizar a minha situação diante da justiça, fui obrigado a inventar tudo aquilo. Agora, arfando aqui no leito de morte, necessito dizer que naquele dia, apesar do ódio que sentia por Luiza, não tinha intenção de matá-la, a não ser que ela estivesse com o amante naquele momento, no entanto, ao passar frente ao banheiro, notei que ela tomava um banho de espuma. Ao seu lado, numa pequena mesa de armar, um abajur aceso, uma garrafa de vinho Rubesco Torgiano, com uma taça pela metade e algumas planilhas que ela pretendia analisar. Eu entrei e caminhei em sua direção. Ela sorriu e me chamou, estendendo os braços. Eu também sorri, e ao virar-me, esbarrei propositadamente com o cotovelo no abajur, empurrando-o para dentro da banheira. Depois esperei que Luiza acabasse com aqueles horríveis solavancos, para sair desconsolado a procura dos vizinhos.

2 comentários:

  1. Gosto dos teus textos e das ilustrações, que são muito boas! Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir