Ilustração: Nerino de Campos
Texto: Nerino de Campos
Subsecretário: Nerino de Campos

terça-feira, 24 de maio de 2011


(Re.)
Ele ficou olhando para a tela do computador por alguns minutos, e sem o que dizer, escreveu sobre um cachorro manco que não conseguia urinar no poste e foi inchando até estourar de tanta urina. Depois escreveu sobre a calça no varal, balançando de um lado para o outro, e o gatinho branco tentando alcançá-la, até conseguir, e ficar com a pata presa, desesperado, tentando sair, e o vento batendo, e o gato lá embaixo, tentando, tentando. Escreveu sobre a mulher que todos os dias passava, no mesmo horário, pelos seus pensamentos,com aquela saia rasgada e aquela blusa cor de vinho manchada de azul. Do baloeiro escreveu também, sentado na praça, sem ao menos saber que estava ali, pernas cruzadas, uma das mãos apoiada no banco de mármore, segurando os balões e a outra cofiando a barba grisalha. Escreveu sobre os barulhos da praça, dos cheiros, da pipoca estourando no carrinho lá na esquina e o cheiro chegando cá perto do banco do baloeiro, dos meninos saindo da escola, jogando as mochilas para cima, chutando uns aos outros, as beatas enroladas nos seus véus pretos indo para a missa que só começaria ao anoitecer. Escreveu também sobre os pombos cometendo o pecado mortal de cagar na igreja, sem contar o pecado que não tem classificação no livro das coisa ruins do céu que é o da prática do ato sexual dos pombos no caibro da entrada principal da igreja. Mas logo foi se desinteressando por aquilo tudo e desligou o computador.

4 comentários:

  1. Penso que a escrita para ser interessante deve liberar a vida da mesmice corriqueira.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom!!
    Adorei os textos e as ilustrações. completam-se - se parecem...
    Sucesso!

    ResponderExcluir
  3. Estava com saudades de suas palavras, meus dias sem ter o que dizer me tirou ate gosto por ler. mais volto e aos poucos recupero o que perdir..

    bjs
    Insana

    ResponderExcluir
  4. Sempre bom curtir sua criatividade e liberdade!

    ResponderExcluir