Ilustração: Nerino de Campos
Texto: Nerino de Campos
Subsecretário: Nerino de Campos

segunda-feira, 16 de agosto de 2010


Eu sempre fui apegado às coisas. Primeiro foi a chupeta. Chupava aquilo como se fosse um peito leitoso. Fui crescendo e não largava o vício. Depois foi a bola, que mesmo depois de furada ainda levou bons pontapés. Depois os soldadinhos de chumbo, as figurinhas, os patins, as bicicletas, as luvas de boxe. Quando cresci fui apegado às mulheres, ao dinheiro, carros, viagens, orgias e boa comida. Destruí muita gente para conquistar tudo isso, e agora, luto desesperado para me desapegar de um câncer que se apossou a mim.

4 comentários:

  1. Gostei da relação causa efeito. Sem dúvida, um ponto de vista interessante literáriamente.

    ResponderExcluir
  2. Essa é a verdade, somos todos viciados desde o momento que nascemos.


    ##

    ResponderExcluir
  3. Tenho meus vicios, que nao os largo.

    bjs
    Insana

    ResponderExcluir
  4. ... E qdo percebemos, somos invadidos pela sâ consciência de que na vida, o essencial é mesmo o "ser" e não o "ter"...
    Importa-nos que estamos evoluindo: e esta é a verdadeira missão humana...

    ResponderExcluir