Ilustração: Nerino de Campos
Texto: Nerino de Campos
Subsecretário: Nerino de Campos

sexta-feira, 28 de maio de 2010

/>Cheguei até a janela. As nuvens borbulhavam e eu previ o caos lá fora também. Voltei para o quarto e comecei a limpar o sangue na cama. Quanto mais eu tentava limpar, mais espalhava sangue pelo lençol, colcha e travesseiros. De repente, ela saiu do banheiro. Parara de chorar e logo me olhou sorrindo. Depois embolou tudo que estava sobre a cama, colocou num canto do quarto, cobriu a cama com um lençol novo que pegara no armário, deitou-se e ficou a me esperar, agora, já com um sorriso de mulher.

4 comentários:

  1. Esse ficava em cima da cama lá em Petrópolis!

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto: curto, direto e impactante...
    Abçs!

    ResponderExcluir
  3. Quem dera que toda morte nos ressuscitasse!

    ResponderExcluir
  4. O Franck colocou muito bem: “curto, direto e impactante”.

    Show!!


    ##

    ResponderExcluir