Ilustração: Nerino de Campos
Texto: Nerino de Campos
Subsecretário: Nerino de Campos

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010


Um dia nascendo sem nada de novo. Um homem morrendo, matando o seu povo, uma chuva forte, um sol que atrapalha, um grito de morte, possessão que valha. Um momento alegre passa sem se ver, pra uma vida breve, basta se nascer. Um dedo indicando qualquer coisa errada, um sábio chorando por não saber nada Um burro pastando, um rato a roer. Um boi ruminando pra poder viver. E o mundo girando, querendo girar. E os homens passando sem querer passar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário